domingo, 17 de outubro de 2010

para viver de fato uma obra-de-arte

para viver de fato uma obra-de-arte

eu preciso que ela me suspenda.

que me tire de um estado de comodismo

e, por um instante que seja...

me deixe em estado de suspensão.

que me tire da cadeira.

me tire do meu cotidiano mesquinho.

me leve pra outros lugares

que eu nunca sequer sonhei habitar.

que me falte o fôlego.

que me falte o ar.

e que depois,

de cega e de tonta de tanto rodar

eu finalmente volte a ser.

eu.

novamente.

mas completamente diferente.

3 comentários:

Daniel Leão disse...

quem bom ver esse espaço novamente movimentado sabia ?

boas escritas...
venho sempre ler

Joyce disse...

daniel, estou totalmente instigada pelo trabalho de alexandre veras... fazendo seminário sobre ele na faculdade me deu novo fôlego e vontade de escrever, de criar... bom, né?:)

Rodrigo Passos disse...

simplesmente lindo!